Edir Macedo diz: “Não alcancei uma só vitória na base da oração ou do jejum”

, 05/07/2017 às 22:59:29

O bispo Edir Macedo publicou um artigo em que despreza a prática do jejum e da oração, afirmando que apenas o sacrifício pode levar o cristão às conquistas materiais. A mensagem, de ênfase à teologia da prosperidade, contradiz o testemunho do próprio Jesus Cristo, que orou e jejuou por 40 dias no deserto, e venceu uma tentação maligna.

 

Macedo afirma no texto que ao longo dos 40 anos que está à frente da Igreja Universal do Reino de Deus aprendeu “o maior e mais eficaz segredo da fé”, que segundo ele é o “sacrifício”.

 

“Não o aprendi na Faculdade de Teologia nem nos primeiros treze anos de fé. Aprendi com o desenvolvimento da IURD, exercitando a fé inteligente, ainda que tropeçando nos seus mistérios, algumas vezes caindo nas armadilhas da fé emotiva”, alega.

 

O líder neopentecostal – que terá sua trajetória de vida contada em uma trilogia de filmes – garante que os sacrifícios são a chave para o sucesso. Como não vê pastores e bispos da Universal pregando rituais de sacrifício com animais, a associação imediata é com um esforço financeiro descomunal.

“O Espírito Santo achou por bem me conduzir a desertos para aprender a separar a fé emotiva da fé racional. As dificuldades do deserto obrigam o uso da Fé inteligente para a sobrevivência. Na prática, aprendi que quanto maior é o sacrifício maior é a firmeza da fé consciente, e maiores as conquistas”, incentiva Edir Macedo.

 

Na sequência, o bispo dispara: “Não me lembro de ter alcançado uma só vitória na base da oração ou do jejum. Apesar de serem fundamentais na comunicação com Deus, ainda assim, tinham de ser acompanhados de atitudes, aparentemente, ‘loucas’, impetuosas, mas carregadas de convicção do Espírito de Deus”, argumenta.

 

Se a fé que prega é “racional”, onde está a lógica em tomar “atitudes impetuosas”? Macedo não explica, mas continua com seu raciocínio controverso: “Muitas vezes fiquei apavorado e tentei retroceder. Como era tarde demais, tive de ir em frente. Não havia outra escolha”.

 

“Creio que nenhum herói da fé da Bíblia foi corajoso por si só […] O sacrifício confirma a fé e estimula a coragem do sacrificante. Israel que o diga. No passado, antes de sair à guerra, os sacerdotes apresentavam sacrifícios a Deus. Tais sacrifícios não tinham nada a ver com perdão de pecados. Eram sacrifícios de ações de graças ou gratidão antecipada pela vitória”, afirma, dizendo que tais gestos representavam “a certeza da vitória”.